Trator M5 – 1942

O trator M5 é uma viatura de pista totalmente concebida para atrelar milímetros a 105 M2, e os 155 mm de artilharia de campo Long Tom, e levar a equipe de arma e munição. Um sistema de guincho e rolo permite o M5 para puxar viaturas para frente ou para trás. Armamento é um único antiaéreo M2 metralhadora Browning.

A M5 foi padronizada em outubro de 1942 a partir do T21, uma viatura com base nas faixas e de suspensão do blindado Stuart. International Harvester iniciou a produção em 1942. O M5 não serviu no exército dos EUA por muito tempo após a Segunda Guerra Mundial, mas o Japão, Áustria, Iugoslávia e Paquistão continuaram a usa-lo.

Variantes:

  • M5 soft top, center driver, vertical Volute Spring;
  • M5A1 hard top, left driver, vertical volute spring;
  • M5A2 soft top, center driver, horizontal volute spring;
  • M5A3 hard top, left driver, horizontal volute spring;
  • M5A4 Half top, center driver, side ammo boxes, horizontal volute spring.

O trator M5 é uma viatura de alta velocidade, 13 toneladas produzidas pela International Harvester a partir de 1942, o trator médio M5 foi concebido como um motor rápido para artilharia pesada. Para acelerar o processo de produção, decidiu-se usar as rodas ou as lagartas do blindado de Luz M3 e uma suspensão modificada.

O motor a gasolina continental permitiu uma máxima velocidade de 56 KM/H durante o reboque de um obuseiro 155mm. A viatura foi equipada com um guincho dianteiro Garwood e uma capota com cortinas laterais. A união soviética recebeu quase 200 unidades em 1944 e, como sendo notoriamente curto em motores principais, de imediato, implantou-os para as suas unidades de artilharia pesada.

O ESTRANHO TRATOR M5 NA FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA – 1944/1945

Com a entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial, em 1942, o Exército Brasileiro passou a receber equipamentos motomecanizados, modernos, oriundo dos Estados Unidos para equipar dentre outras as unidades de artilharia, dando-lhes uma nova dimensão, seja em termos de mobilidade e capacidade de poder de fogo.

Com a criação da Força Expedicionária Brasileira — FEB, em 1943 e seu envio para o teatro de operações na Itália em 1944/45. Coube ao 1“ Grupo do 1º Regimento de Artilharia Pesada Curta — II1ªRAPC a primazia na utilização do então moderno TRATOR M-S de 13 toneladas e alta velocidade, uma grande novidade entre nós.

Estes tratores eram viaturas militares sobre lagartas para tração pesada, destinada principalmente a rebocar obuseiros de 105 e 155mm e neste caso eles tracionavam as 18 peças de 155mm, sendo uma para cada trator, e todos receberam a matricula FEB 440-C, que indicava pertencer a 3ª Bateria do IV Grupo do “1“ R.A.P.C. e o respectivo número do viaturas de dois dígitos como 81, 77, 78, 79, 80, e alguns chegaram a possuir nomes como VERA, que representava uma forma carinhosa de manter viva a saudade sobre a pessoa amada que aguardava a volta do combatente ao solo brasileiro.

De aparência estranha se comparado com as outras viaturas empregados naquele teatro de operações, ela desenvolvia uma velocidade de 48 km/h que podia numa emergência chegar a 56 km/h. Dispunha de compartimentos apropriados para pessoal, 9 homens sentados, munições (30 granadas de 155mm), ferramental, sobressalentes e outros equipamentos necessários ao seu uso, podendo ser usado nas configurações aberto e fechado com uma capota de lona que lhe dava um ar mais sóbrio onde ostentava força e robustez.

Peça de artilharia de 155mm da 3ª Bateria do IV Grupo do Il1º R.A.P.C. e dois tratores M-5 da FEB. Notar a ausência da capota e as marcações brasileiras nas laterais e traseira das viaturas.

Era impulsionada por um motor a gasolina Continental modelo R 6 572, de seis cilindros em linha, quatro ciclos, refrigerado a água, válvula na cabeça, com dois carburadores e potência máxima de 235 HP. Sua embreagem era do tipo pesada com reduzida de baixa e alta velocidade, acionada a ar comprimido por meio de um pedal de serviço e em situação de emergência, na falta de ar, existia outro pedal que funcionava mecanicamente. A transmissão era do tipo helicoidal de passe constante, com quatro velocidades à frente e uma a ré, que combinando a transmissão com a redução de embreagem, obtêm-se oito velocidades e duas marchas a ré.

Ficha Técnica:

Nome: Tractor M-5, 13 Ton, High-Speed

Cumprimento: 4,85 m

Largura: 2,5m

Altura Total: 2,641rm

Suspenção: Mola voluta vertical

Peso em ordem de combate: 12.958 kg

Pressão sobre o solo: 0,502m

Guarnição: 9 homens

Armamento: uma metralhadora .50

Motor: Continental R 6 572, seis cilindros, quatro cilindros, 235 HP, a gasolina, refrigerado a água

Sistema Elétrico: 12 volts

Capacidade do tanque de combustível: 378 litros de gasolina de

70/72 a 80 octanas sendo 189,3 em cada um dos dois tanques

Raio de ação: 240 Km

Rampa máxima sem reboque: 72%

Rompa máxima com reboque: 50%

Vau máximo: 1,35m

Fosso transponível: 1,68rn

Raio de volta mínimo: 6,10m

Carga máxima de reboque: 9.205kg

 

 

Deixe um Comentário